Esquilos Navais - Marinha do Brasil


História e Desenvolvimento. 


No início da década de 1970 a empresa francesa Aérospatiale iniciou o desenvolvimento de uma nova aeronave de asas rotativas, visando a substituição de seu modelo Alouette II no mercado civil (pois no mercado militar este modelo havia sido substituído recentemente pelo Gazele), para atender a este mercado, o projeto deveria atender as exigentes especificações dos usuários (reduzidos índices de ruído, vibrações e baixo custo operacional), todo o estudo inicial foi orientado para competir com o  americano Bell 206 Jet Ranger . O protótipo AS350-001 dotado de um motor Lycoming Avco LTS -101 fez seu voo inaugural em 27 junho de 1974, sendo conduzido pelo piloto de testes Daniel Bernard Certain Bauchart, em 14 de fevereiro de 1975 alçava voo uma segunda célula agora equipada com um motor francês Turbomeca Arriel 1A. 

Após obter todas as certificações internacionais a versão destinada ao mercado civil denominada AS350B Écureuil (Esquilo) começou a ser entregue a operadores civis na Europa e Estados Unidos, as excelentes qualidades do modelo em uso civil chamaram a atenção da Aérospatiale para o desenvolvimento de uma versão militar focada em tarefas de treinamento, transporte e ligação, rapidamente o mesmo sucesso foi observado com cerca de quase 40 países optando pela aquisição das versões militares, que além de contemplar as missões básicas foram expandidas para um novo leque de atividades entre eles busca e salvamento, ataque leve e anti submarino. 

Outro fator a ponderar e que o sucesso do modelo proporcionou a abertura de linhas de produção em outros países, entre eles o Brasil, pois em 1978 atendendo a uma licitação do governo brasileiro a empresa francesa viria a abrir na cidade de Itajuba em Minas Gerais uma linha de montagem para seus modelos, esta empresa com capital binacional recebeu o nome de Helicópteros do Brasil AS, ou Helibrás . Até o ano de 2013 mais de 3.400 células de todas as versões foram produzidas e o modelo se mantem em produção seriada até a atualidade

Emprego no Brasil. 

Em fins da década de 1970 a Marinha iniciou estudos para modernização de sua frota de helicópteros utilitários que até então estava baseada nos longevos Wasp e versáteis Jet Ranger, um processo licitatório internacional foi aberto, sendo declarada com vencedora em 1978 a empresa Helibrás, com seu modelo HB-350B Esquilo. Em fevereiro de 1979, a MB assinou contrato com a Helibrás para o fornecimento de seis HB-350B Esquilo para dotar o 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1), passando a ser a pioneira na operação desta aeronave no Brasil. A primeira aeronave, a N-7050, foi montada por técnicos franceses e em dois meses já estava pronta.

Em 18 de junho de 1979,  foi  entregue a DAerM (Diretoria de Aeronáutica da Marinha)  para Avaliação Operacional e iniciar a qualificação do primeiro piloto . Nesta ocasião, a Helibrás ainda estava instalada provisoriamente no hangar X-10 do CTA, em São José dos Campos-SP e posteriormente foi transferida para sua atual sede em Itajubá (MG). Ainda em 1979, fora recebido também o N-7051 e em fevereiro de 1980, as demais aeronaves foram incorporadas e receberam os indicativos visuais N-7052, 7053, 7054 e 7055, sendo todas alocadas ao Esquadrão HU-1.Nesta época, o HU-1 era comandado pelo CF Lynch, que teve como principal missão qualificar, em 60 dias, todos os 33 pilotos no UH-12. Ressaltando que o CF Lynch era o único Instrutor de Voo do Esquilo qualificado pela Helibrás, portanto o único Instrutor para os 33 oficiais.

A partir daí muitos desafios foram enfrentados pelos He. Esquilo no HU-1, pois como faziam parte do Esquadrão “Faz Tudo”, teriam por obrigação levar a cabo suas atribuições junto a Força Aeronaval e a Esquadra. E assim o fizeram, conquistando a confiança dos comandantes dos meios de superfície, inclusive substituindo os Whirlwind S-55 na função de “Pedro” (Guarda de Aeronaves) no NAel Minas Gerais (A-11) e se capacitando a operar embarcados nas Fragatas e Contratorpedeiros. Em 1983 o HU-1 recebeu mais três helicópteros o N-7056, 7057 e 7058.

Com a criação dos Esquadrões Distritais HU-3, HU-4 e HU-5, a MB efetivou a encomenda de mais quatro HB-350B (N-7078 a 7081) e sete HB350BA (N-7082 a 7088), assim o Tucano, Gavião Pantaneiro e o Albatroz, passaram a operar com a mesma aeronave de Norte a Sul do país. No final de maio de 2004, o HU-4 substituiu seus UH-12 por três IH-6B (Bell Jet Ranger III), provenientes do 1º Esquadrão de Helicópteros de Instrução (HI-1), por estes terem dimensões mais apropriadas para operar a bordo do Monitor Parnaíba. Durante os nove anos em que operou o Esquilo, o HU-4 acumulou 6.700 horas de voo e 734 pousos a bordo.

Estando em operação há mais de 36  anos e tendo atuado em todo o território nacional e também na Antártida, desempenhando as mais diversas tarefas na nossa Marinha, como Apoio às Operações Anfíbias e Especiais, Esclarecimentos Radar e Visual, Patrulha Naval, Ataque Aéreo, Transporte de Tropa, Apoio Logístico, Busca e Salvamento, Guarda de Aeronave e Evacuação Aeromédica , as células começam a sentir o peso da idade e o desgaste natural,e não sendo aconselhável a aplicação de nenhum programa de modernização,  a solução logica é a substituição por vetores novos ,sendo este o objetivo do Programa UHP que vem ao longo dos últimos dois anos analisando e testando aeronaves para enfim aposentar os UH-12 Esquilo na aviação naval.

Em Escala.

Para representarmos o UH-12 " MB 7055 " empregamos o kit HTC / Heller na escala 1/48  (apesar que as dimensões do mesmo aparentam pertencer a escala 1/50), para se representar a versão empregada pela Aviação Naval é necessário remover o farol de busca original localizado no nariz da aeronaves, acrescendo o mesmo com uma peça confeccionada em scratch na parte inferior da fuselagem. Utilizamos decais confeccionados pela  FCM que estão presentes no Set 48/07B.
O esquema de cores (FS) descrito abaixo representa o terceiro e atual  padrão de pintura empregados nas aeronaves Helibras UH-12 Esquilo  em operação na Marinha Brasileira, devendo este ser mantido até sua desativação final prevista entre os anos de 2018 e 1019.



Bibliografia :

-  Eurocoppter AS350 Écureuil  - Wikipédia http://fr.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS350_%C3%89cureuil
-  HU-3 ASAS DA MARINHA NA AMAZONIA - Revista Asas Volume 2
- Helicóptero UH-12 Esquilo: 30 anos de serviço ativo na Marinha do Brasil – Poder Naval
- Aviação Naval Brasileira por :  Prof. Rudnei Dias Cunha - http://www.rudnei.cunha.nom.br/Asas%20sobre%20os%20mares/index.html