Scouts Cars no Exército Brasileiro


História e Desenvolvimento.

Na segunda metade da década de 1930, os projetos de reequipamento das forças armadas americanas estavam em plena efervescência, devido as tensões existentes na Europa entre a Alemanha e as demais nações, vislumbrando uma grande oportunidade mercadológica a empresa White Motor Company com sede em Cleveland, iniciou estudos em 1937 visando assim desenvolver um veículo de transporte médio blindado, para emprego junto as unidades motorizadas no campo de batalha. Visando a agilidade no desenvolvimento e otimização de custos fabris, e empresa utilizou como base a plataforma e chassi da camionete civil Indiana, adicionando a mesma uma estrutura blindada capaz de resistir a armas de baixo calibre. O primeiro modelo saiu da linha de montagem em 1939, sendo encomendas 64 unidades que foram destinadas a 7ª Brigada de Cavalaria, o emprego operacional levantou a necessidade de melhorias, nascendo assim em 1940 a versão M3-A1, este modelo apresentava uma estrutura mais leve e com dimensões maiores. 



O M-3A1 Scout Car , era dotado de um motor a gasolina de seis cilindros Hercules JXD 320 de 87 HP, possuindo caixa de transmissão e eixo cardam de quatro velocidades, sua blindagem era de aço envolvendo todas as partes laterais do veículo, no sistema de proteção podemos citar ainda a existência de um para brisa blindado, porém seu calcanhar de Aquiles se baseava no fato de ter a parte superior aberta o que o tornava muito vulnerável a ataques com granada de mãos e coquetéis molotov. Seu armamento consistia de até 03 metralhadoras .50 ou .30, sendo que as duas armas laterais estavam aptas e efetuar disparos em todas as direções, pois eram dispostas sob um trilho existente ao redor do veículo. Tinha capacidade de transporte de até oito soldados totalmente equipados ou ainda um excelente volume de carga.



Seu batismo de fogo ocorreu com o Exército Filipino nas batalhas ocorridas nas Filipinas entre os anos de 1941-1942, sendo também empregado pelas unidades de cavalaria do Exército dos EUA na Campanha do Norte Africano e da invasão da Sicília, suas principais missões eram a de transporte de carga e infantes no campo de batalha, servindo também como veículo blindado e comando. Em meados de 1943, relatórios preliminares de experiência em combate real evidenciavam as falhas do projeto, sendo o mesmo substituído gradativamente pelos carros blindados M-8 e M-20, algumas centenas de unidades foram mantidas como carros de ligação , foram ainda fornecidos dentro dos termos do Leand Lease Act para nações como China Nacionalista, Inglaterra que os empregou para equipar  as tropas livres e principalmente a União Soviética, que foi agraciada com o envio de milhares de unidades. No pós-guerra o modelo foi empregado por cerca de 24 países ao redor do mundo. O M3A-1 Scout Car esteve em produção continua entre os anos de 1941 e 1944, tendo atingido a cifra de 20.856 unidades construídas.


Emprego no Brasil. 

O M3A-1 Scout Car, foi o primeiro carro blindado 4X4 a ser empregado pelo Exército Brasileiro, sendo os mesmos adquiridos através com acordo de Empréstimos e Arrendamentos, assinado entre os governos americanos e brasileiros em 1941. O lote total encomendado foi de 90 veículos, que foram recebidos em um lote de 51 carros até novembro de 1942 e os demais sendo entregues durante e após o termino da Segunda Guerra Mundial.


Após o recebimento das primeiras unidades, o Exército Brasileiro as destinou para compor as baterias de canhões anti-carro auto rebocados de 37 mmde origem norte americana, servindo como unidade de movimentação e transporte das guarnições. Após o encerramento da Segunda Guerra Mundial foram enquadrados como viatura blindada de transporte pessoal, sendo distribuídas as unidades militares de cavalaria mecanizada, espalhadas por todo território nacional. 


Tiveram ainda destacada atuação servindo ao contingente brasileiro alocado junto as Forças de Paz, no conflito do Canal de Suez entre os anos de 1957 e 1967 operando como um dos principais meios de transporte blindado leve dos efetivos nacionais ali dispostos.


 Na década de 1970, o alto consumo de combustível a baixa autonomia aliadas a falta crônica de peças de peças de reposição do motor a gasolina Hercules JXD 320, geraram um processo de modernização desenvolvido pelo Parque Regional de Motomecanização da 2º Região Militar ( PqRMM/2), que a exemplo do processo anteriormente realizado no M-2  e M2A-1 Half Track, englobava a adoção de um motor a diesel de fabricação nacional da marca Perkins, permitindo assim a extensão de sua vida útil até o início da segunda metade da década de 1980 quando foram finalmente retirados da ativa e substituídos novo modelos.


Em Escala.

Para representarmos o M-3A1 Scout Car empregado pelo exército brasileiro em apoio aos contingentes enviados pelo Brasil para compor as tropas empregadas na UNEF ( United Nation Emergencial Forces ) na pacificação do conflito Israel e Egito na década de 1950 , empregamos o novo kit da Zvezda na escala 1/35 (o review completo deste kit pode ser visto aqui), que apresenta bom nível de detalhamento e facilidade de montagem. Empregamos  ainda decais confeccionados pela Eletric Products presentes no Set UNEF/SUEZ.  

O esquema de cores (FS) descrito abaixo representa o padrão de pintura padrão empregado em todos os veículos participantes das Forças de Paz da Onu  (Organização das Nações Unidas), em seu emprego no Brasil mantiveram durante toda sua carreira o padrão de pintura verde oliva do Exército Brasileiro.




Bibliografia :

- M-3A1 Scout Car  O primeiro 4X4 no EB - Expedito Carlos S. Bastos http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/arq/Art%2096.htm 
- Blindados No Brasil - Volume I - Expedito Carlos S. Bastos 
- M3 Scout Car - Wikipedia - https://en.wikipedia.org/wiki/M3_Scout_Car
- Batalhão Suez - http://www.batalhaosuez.com.br/