Os primeiros De Havilland Moth no Brasil


História e Desenvolvimento.

No início da década de 1920, a De Havilland Aircraft Company, visando oferecer ao mercado civil e as forças armadas inglesas um novo treinador primário baseado em seu modelo DH-51, desenvolveu uma nova aeronave que receberia a designação de DH-60 Moth (Traça). Seu primeiro voo ocorreu em 22 de fevereiro de 1925 sob o comando Geoffrey de Havilland no aeródromo de Stag Lane. O modelo apresentava configuração biplano de dois lugares, sendo construído em madeira compensada recoberta com tecido.

Neste primeiro estágio, o modelo foi adotado apenas por operadores civis, pois seu motor original Cirrus, apesar de ser confiável, era baseado no projeto do motor Renault de 8 cilindros, e empregava peças do mesmo, que não tinham uma fonte continua de suprimento, pois as peças eram oriundas de estoque constituídos na primeira guerra mundial, desta maneira em 1928 a De Havilland, decidiu substituir o Cirrus por um novo motor construído em sua própria fábrica, gerando a versão DH-60G Gipsy Moth. Além de apresentar um significativo aumento de potência, a adoção deste novo motor produzido pelo próprio fabricante proporcionou uma significativa redução de custo, chegando uma célula ao custo de aproximadamente 650 libras.

Uma nova versão com fuselagem recoberta em metal do Gipsy Moth surgiu em 1930, designado como DH-60M Moth sendo originalmente desenvolvido para o atendimento de demandas de clientes no exterior, particularmente o Canadá. Este modelo viria ainda a ser produzido sob licença em países como Austrália, Canadá, Estados Unidos e Noruega, ainda com a finalidade voltada ao mercado civil, finalmente em 1931, surgia uma variante desenvolvida para o segmento de treinamento militar, recebendo a designação de do DH.60T Moth.

Além de operarem em seu pais natal como treinadores militares, os DH-60T foram empregados por mais 31 nações nas funções de treinamento básico e instrução. Sua produção foi encerrada a partir de fins de 1933, quando começaram a ser substituídos pelos novos treinadores DH-82 Tiger Moth.

Emprego no Brasil. 

No Brasil a carreira deste modelo teve início em 1932 com a aquisição de 12 células pela Aviação Naval da Marinha Brasileira, com objetivo de emprego em missões de instrução primária, sendo alocados na 1º Divisão de Aviões de Treinamento da Escola de Aviação Naval sediada no Galeão no Rio de Janeiro em substituição a já obsoletos modelos oriundos do início da década de 1920.

A experiência positiva de operação na Marinha, levou o comando do Exército Brasileiro a adquirir 15 células também no ano de 1932, sendo as mesmas destinadas à Escola de Aviação Militar com sede no Campo dos Afonsos, onde receberam as matriculas iniciais de 3003 a 3010, sendo posteriormente matriculados como K-141 á K-153, então rapidamente o modelo se tornaria o treinador primário  padrão em operação no pais. 

O DH-60T viria ainda a ser empregado em missões de combate real, pois com o início das hostilidades deflagradas pela Revolução Constitucionalista de 1932, o governo federal, destinou a Aviação Legalista, 11 células dos efetivos da Aviação Militar e 12 células da Aviação Naval, para o emprego em missões de patrulha terrestre e marítima, ligação e regulagem de tiros de artilharia, com a assinatura do armistício no dia  3 de outubro, todas as aeronaves empregadas foram reincorporadas a suas unidades originais.

O emprego desta aeronave atingiu patamares satisfatórios, tendo assim proporcionado a encomenda de um segundo lote de mais 12 células que foram recebidas no ano de 1933, que foram seguidas pela aquisição em fins do mesmo ano de um terceiro lote de 17 células agora do novo modelo DH-82 Tiger Moth, que determinaram assim o repasse das unidades restantes para missões secundárias, sendo que em 1941 a única aeronave remanescente foi transferida para o acervo da recém-criada Força Aérea Brasileira. Na Aviação Militar também o alto índice de desgastes e acidentes reduziria a frota rapidamente para apenas 06 aeronaves, sendo a última unidade ativa descarregada em 1939.

Em Escala.

Para representarmos o DH-60T "K-147" da Aviação Militar do Exército Brasileiro, empregamos o kit do fabricante Amodel, na escala 1/48, que apesar apresentar um baixo nível de detalhamento e qualidade de material plastico representa a s a única opção injetada para esta aeronave nesta escala. Fizemos uso de decais FCM oriundos de diversos sets combinados com decais originais do kit.
O esquema de cores (FS) descrito abaixo representa um dos padrões de pintura originais do fabricante De Havilland Aircraft Company, com a aplicação das marcações nacionais da Aviação Militar, sendo mantidas durante toda a sua carreira operacional no Exército Brasileiro.





Para ver o review completo do modelo clique aqui.



Bibliografia :


- Aviões Militares Brasileiros - Rafael Pinheiro Machado
- Aviação Militar Brasileira 1916 -/ 1984 - Francisco C. Pereira Netto
- De Havilland DH-60 Moth Wikipedia - https://en.wikipedia.org/wiki/De_Havilland_DH.60_Moth
- O emprego do avião na Revolução Constitucionalista de 1932 - www.reservaer.com.br/biblioteca/e-books/reflexoes4/30-oempregodoaviao.html