FMC M-113B APC no Brasil - Parte II


História e Desenvolvimento.

O desenvolvimento da família de blindados M-113 pela empresa FMC Corporation, teve início na década de 1960, sua finalidade básica era a substituição dos obsoletos modelos M-59 e M-75 , que tinham como principal problema seu excessivo peso de deslocamento o que prejudicava sua capacidade em acompanhar os demais veículos blindados em campo. Desta maneira seu projeto compreendia um veículo versátil com capacidade de transporte de 11 soldados totalmente, que deveria ser construído em alumínio para privilegiar a mobilidade.

As primeiras unidades da versão inicial dotadas de motorização a gasolina Chrysler 75M V8 entraram no serviço ativo em abril de 1962 sendo destinadas as unidades mecanizadas baseadas no Vietnam, seu emprego em um cenário real apresentou necessidades de melhoria, resultando assim em 1964 uma nova versão que viria receber a designação de  M-113A1 , este modelo era dotado com o novo motor Detroit 6V-53 a diesel, proporcionando uma significativa melhoria em termos de autonomia, permitindo assim ampliar seu raio de ação, testes no front motivaram sua construção em massa, sendo esta versão posteriormente exportada as ações amigas dos Estados Unidos 

Emprego no Brasil. 

Na década de 1960, foram adquiridos pelo Exército Brasileiro 584 Viaturas Blindadas de Transporte Pessoal  ( VBTP ) M-113 APC, por fins do ano de 1968 , buscava-se nacionalizar o máximo possível de componentes de todos a frota motorizada da força e neste ano com a autorização da DMM foram desenvolvidos pelo PqRMM/2 , estudos, para a adaptação de um motor refrigerado a ar Deutz V-8 Diesel, processo este que apesar do envolvimento do fabricante não resultou  em avanços significativos.

Os primeiros grandes problemas ocorreram a partir do rompimento do acordo militar, Brasil – Estados Unidos. No governo Geisel, em 1977, resultando na interrupção do fluxo de peças de reposição, elevando assim a taxas alarmantes os números de unidades indisponíveis em suas unidades operadoras, sendo este fator ainda agravado pela crise do petróleo que assolou o mundo nesta época. 

Buscando resolver este problema, foram implementados estudos junto a indústria nacional, no intuito de proceder um amplo processo de revitalização e nacionalização, este processo teve inicio em 1982 , sendo executado no período de 1984 a 1988, pela empresa Industria Mecânica Moto Peças Transmissões , tendo como objetivo ampliar a vida útil de 580 unidades do modelo.

O programa foi um sucesso, tendo como uma das inovações a substituição do seu motor original a gasolina, por um motor nacional diesel Mercedes Benz , turbo alimentado de 172 hp, mantendo a caixa de transferência original Allison TX-200-2, com uma outra relação de engrenagens, bem como alterações no sistema de alimentação, admissão de ar, escapamento, arrefecimento e combate a incêndios. Foi ainda introduzida uma proteção balística para o atirador numa escotilha na parte superior, capaz de girar 360 graus. Todo este processo exigiu a completa desmontagem da viatura, vindo a seguir a elaboração das modificações necessárias, que passaram a se chamar “ Kit de Modernização “ e uma remontagem completa.

As unidades emergiram deste programa ostentando a denominação M-113B, devemos salientar que este processo permitiu o retorno a operação de dezenas de unidades, ao   longo da década de 1990 e 2000 vários estudos foram conduzidos visando a aplicação de um novo processo de atualização não só do grupo motriz, mas também de sistemas de navegação e comunicação , sendo que finalmente em 2011 o exército brasileiro assinou um contrato de modernização com BAE Systens visando assim equipar os veículos a versão M-113A2 Mk1. Nesta fase os cascos, escotilhas e rampas dos veículos serão reutilizados, enquanto os demais componentes, inclusive o grupo motriz, sistemas de refrigeração, comunicação e sistemas elétricos serão substituídos.

Em Escala.

Para representarmos o M-113BR "EB 21422” empregamos o modelo da Academy na escala 1/35, sendo necessário realizar modificações em scratch mais notadamente na confecção da torre do artilheiro. Utilizamos decais do fabricante Decals e Books do set " Forças Armadas do Brasil"

O esquema de cores  ( FS ) descrito abaixo representa o padrão de pintura do Exército Brasileiro adotado a partir do ano de 1983, estando o mesmo vigente até os dias de hoje.





Bibliografia : 
- Military Analisys Network http://www.fas.org/man/dod-101/sys/land/m113.htm
- M-113 APC - http://en.wikipedia.org/wiki/M113_armored_personnel_carrier
- Blindados no Brasil - Um Longo e Arduo Aprendizado , Volume II - Expedito Carlos Stephani Bastos