Ford M-8 Greyhound no Exercito Brasileiro


Historia e desenvolvimento 


Em julho de 1941, o departamento de defesa americano, iniciou estudos para o desenvolvimento de um novo carro anti tanque , que tinha por objetivo substituir o já obsoleto M-6, as especificações previam um veiculo sobre rodas com tração  6X4 , armado com canhão leve de 37 mm e duas metralhadoras .50, foram apresentadas três proposta oriundas das empresa Studebaker, Chryslee e Ford, tendo esta última se sagrado vencedora em abril de 1942. Alterações no desing, melhorias no projeto e processos contratuais atrasaram o início da produção em série até marco de 1943.

Antes mesmo de entrar em combate, estudo preliminares determinaram a ineficiência de seu canhão de 37 mm contra as blindagens alemães da época, desta maneiro o M-8 foi reclassificado como Light Armored Car, sendo direcionado a tarefas de reconhecimento no campo de batalha , função esta que foi realizada com distinção , pois foi equipado com o melhor sistema de radio de longo alcance , com a finalidade de prover imediatamente o alto comando sobre o status do campo de batalha, era dotado também de um radio de curto alcance para criar uma rede de comunicação dentro dos grupos de cavalaria mecanizada. Sua produção encerrou em 1945 tendo atingido a cifra de 8.523 unidades. Após o termino deste conflito os veículos excedentes de guerra foram disponibilizados a 55 nações amigas, se mantendo em operação ate o final do século XX.

Emprego no Brasil . 

Em virtude do Brasil se posicionar ao lado dos aliados, em 1942, o pais se beneficiou dos termos do Leand Lease Act  recebendo inúmeros lotes de materiais militares , sendo uma parcela destes destinado a suprir o Corpo Expedicionário Brasileiro , que teria como missão lutar no fronte Europeu , dentro desta organização seriam criadas diversas unidades entre elas unidades mecanizadas . Desta maneira 15 unidades foram recebidas já em território italiano , sendo destinados  ao  1º Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado da Força Expedicionária Brasileira  em 1944, onde 13 (treze)  destes veículos  representaram a Cavalaria de Osório, muito embora existissem 15, sendo que dois estavam indisponíveis, pois um  deles fora atingido na traseira por um tiro de bazuca alemã, comprometendo-o seriamente e o outro estava sempre em reserva técnica.

Durante toda a campanha na Italia, os M-8 tiveram presença marcante  tendo primeira missão reaç de guerra ocorrida  em Vechiano, em 12 de setembro de 1944, onde o pelotã foi dividido em duas patrulhas, uma no eixoManacuiccoli-Chiese-Massarosa e outra em S.Pietro-S. Macário Piano-S. Macário do Monte, e a   ultima missão se deu em 12 de maio de 1945 no eixo Gênova-La Spezia-Viarregio-Pisa-LivornoRoma-Francolis. Neste contexto podemos afirmar que a experiência obtida em combate foi responsável pela criação de uma nova mentalidade no Exercito Brasileiro no que tange ao emprego de veículos blindado 6 X 6 que perdura ate a atualidade.

Após o conflito outras unidades foram recebidas , permitindo expandir seu leque operacional em boa parte do território nacional , sendo integrados as unidade de reconhecimento mecanizado, no entanto estava reservando ainda ao M-8 um papel importante no desenvolvimento da industria bélica nacional. No final dos anos 1960, o Parque Regional de Motomecanização da 2aRegião Militar (PqRMM/2),em São Paulo, iniciou estudos práticos para a modernização desses veículos, efetuando substituições da caixa de câmbio, transmissão, freios, suspensão,parte elétrica e seu motor original a gasolina Hércules JDX, de seis cilindros e 110HP por um motor diesel Mercedes-Benz OM 321, de 120HP, o mesmo ocorrendo com sua caixa de mudanças,diferenciais e todo o sistema de freio, após testes iniciais de aceitacao foi de definida a modernização de 33 unidade remanescentes do acervo do Exército, esta experiencia de sucesso qualificaria o corpo de engenharia do exército a criar o conceito de um veiculo leve sobre rodas de combate 6X6 de concepção nacional.

Desde seu batismo de foto na campanha da Itália até se tonar o percursor de uma bem sucedida internacionalmente linha de veículos de combate, o M-8 Greyhound provou ser ferramenta virtuosa tanto no campo de batalha quando no campo de engenharia, sua robustez, e simplicidade lhe proporcionaram um longevidade sem igual, pois somente em 1987 as últimas unidades foram enfim desativadas dos quadros do Exército Brasileiro.

Em Escala. 

Para representarmos o M-8 Greyhound " FEB 510-6 Vira Mundo" fizemos uso do excelente kit da Italeri na escala 1/35, não sendo necessário proceder nenhuma modificação para compor a versão nacional. Empregamos decais fabricados pela Decal & Books  fornecidos juntamente com o livro " FEB na Segunda Guerra Mundial " de Luciano Barbosa Monteiro.

O esquema  de cores descrito abaixo representa o padrão de pintura empregado nos veiculos presentes na campanha da Itália, embora as
particularidades do uso de veículos militares pela FEB são enormes, primeiro por não existir um padronização quanto à colocação de emblemas, matrículas, distintivos e nomes e uma boa literatura que cubra bem este período, embora seguissem o manual norte americano

Bibliografia : 
- M-8 Greyhound - Wikipedia http://en.wikipedia.org/wiki/M8_Greyhound
- Origem do Conceito 6X6 do Veiculo Blindado no Exército Brasileiro - http://www.funceb.org.br/images/revista/20_1n8q.pdf
- Carro Blindado M-8 da Forca Expedicionaria Brasileira - http://segundaguerra.net/veiculos-da-segunda-guerra-carro-blindado-m-8-greyhound-da-forca-expedicionaria-brasileira/