Caçadores de Submarinos na Marinha

No inicio da década de 1950 a emergencial necessidade de se dotar as forças armadas americanas com helicópteros de grande porte com foco em missões especializadas, levou a Sikorsky a desenvolver uma versão militar de seu modelo civil S-58 que receberia a designação de HSS-1, recebendo a posteriori a nomenclatura H-34  , em 1952 a USN viria a encomendar 4 protótipos , que gerariam as versões navais ( Seabat ) e para o exército americano ( Choctaw ). A simplicidade do projeto original, aliada a robustez da célula  proporcionaram  um rápido sucesso em âmbito mundial , gerando produções sob licença na França e Inglaterra ( totalizando 395 unidades ), a produção da versão  militar  americana atingiu a cifra de 1821 células e sua versão civil ( dotada de uma turbina ) se manteve em operação em algumas forças aéreas até meados da década de 1990.

A versão anti submarino , apresentava excelente desempenho e potencial de emprego em condições adversas e foi empregado por  nada menos que 23 nações , entre elas o Brasil, pois havia a necessidade de se dotar o recém adquirido navio aeródromo ligeiro A-11 Minas Gerais com um esquadrão de aeronaves de asas rotativas especializada em missões anti submarino ( ASW ) , a escolha óbvia recaiu sobre o modelo HSS-1N (H-34), mediante a aquisição de seis células que dotariam o 1º Grupo de Aviação Embarcado ( GAE ) , estas unidades foram recebidas em 1962. Problemas de relacionamento entre a FAB e Marinha restringiram grande parte das operações empregando bases terrestres ao invés de seguir sua vocação original embarcada. Este cenário seria alterado a partir de 26 de janeiro de 1965, onde o decreto lei nº55.627 determinava a Marinha a operação de aeronaves de asas rotativas embarcadas e a Força Aérea Brasileira o emprego de aeronaves de asas fixas também embarcadas, desta maneira os SH-34G foram transferidos a marinha em 29 de junho do mesmo ano, sendo os mesmo incorporados aos efetivos do 1º Esquadrão de Helicópteros Anti Submarino ( HS-1 ).

Nesta nova configuração as aeronaves começaram a exercer em sua plenitude sua vocação ASW , após as equipagens passarem por amplo e extenso treinamento junto a NAS ( Naval Air Station ) em Los Alamitos nos Estados Unidos, onde foram capacitados a extrair o máximos de seu sistema de sonar e radar. Vale ressaltar que coube a este modelo ( MB 3001 ) o primeiro lançamento real de um torpedo transportado por uma aeronave de asas rotativas , na data de 21 de julho de 1967, o que elevaria a Marinha Brasileira a uma seleta categoria de forças aeronavais aptas a empregar armamento anti submarino aerotransportado.

Os SH-34G operaram na Marinha Brasileira até fins de 1974 , quando as células remanescentes do lote original foram desativadas e substituídas pelo novos e modernos SH-3A Sea King, o legado deste notável modelo foi o de ter moldado todos os parâmetros de operação e combate anti submarino embarcados.

Para representarmos o SH-34G "MB 3005", fizemos uso do antigo modelo da Revell na escala 1/48, a simplicidade do kit remete a época de sua produção, como inconveniente temos a citar que algumas arvores estavam sujeitas a quebras devido o manuseio, necessitando assim de uma acurácia maior para montagem. Empregamos decais produzidos pela FCM Decais, presentes no Set 48/7A.



Bibliografia :

Aviação Naval Brasileira , Prof Rudnei Dias Cunha -  http://www.rudnei.cunha.nom.br/Asas%20sobre%20os%20mares/index.html
Revista ASAS nº 41 " Sikorsky H-34  " Historia Pictorial da Aeronaves - Aparecido Camazano Alamino